Uma empresa de soluções em gestão, certificação de qualidade, treinamentos e consultoria – presenciais e à distância. Atuamos com visão sistêmica e prática, oferecendo métodos viáveis e pertinentes à realidade das empresas no Brasil.

Últimas Noticias

Blog

Montando um cavalo Morto

Reza a lenda que os índios da tribo Dakota nos Estados Unidos, passam de geração a geração o seguinte ensinamento: “Quando você descobre que está montando um cavalo morto, a melhor estratégia é desmontar”. Nas empresas privadas e organizações públicas, muitas pessoas se recusam a desmontar do cavalo morto e continuam a usar práticas e manter ideias que se tornaram obsoletas e contraproducentes. Alguns exemplos do que elas fazem:
 Trocam os cavaleiros.
 Ameaçam o cavalo com castigos e demissão.
 Compram um chicote mais forte e esporas mais afiadas.
 Criam um comitê para estudar o cavalo.
 Dizem coisas como: “Esta é a maneira como sempre montamos este cavalo”.
 Visitam outros países para ver como eles montam cavalos mortos.
 Criam um curso para desenvolver habilidades de equitação.
 Contratam terceiros para montar o cavalo.
 Contratam um consultor para motivar o cavalo morto.
 Instalam um sistema que faz cavalos mortos correrem mais rápido.
 Declaram que cavalo morto é melhor, mais rápido e mais barato.
 Formam um comitê para pesquisar usos para cavalos mortos.
 Revisam os requisitos de desempenho para cavalos mortos.
 Designam um Six Sigma Black Belt para ressuscitar o cavalo.
 Mudam os requisitos operacionais e declaram: “Este cavalo não está morto”.
 Incluem no orçamento uma verba para melhorar o desempenho do cavalo.
 Atrelam vários cavalos mortos para aumentar a velocidade.
 Promovem o cavalo morto a gerente.
(Autor desconhecido)

A presente fábula nos traz uma grande reflexão. Estamos olhando para o nosso cavalo do dia a dia (problemas) ou somente para o horizonte (futuro) e nem percebemos que o animal já está morto faz tempo.
É necessário que na gestão de qualquer empresa, quer seja da indústria, comércio ou setor de saúde, que os cavaleiros devem estar cientes que se o animal (processo) está morto não adianta rezar para “defunto ruim”.
Temos que estar preparados para lidar com a intensa mudança que a sociedade e as empresas estão enfrentando. A sociedade esta cada vez mais exigente e informada sobre seus direitos, sobre os produtos e serviços.
Quem souber a hora certa de descer do cavalo e cuidar dele, poderá chegar ao final da jornada mais satisfeito e menos cansado.
Pense nisso ao olhar para sua empresa. Procure por cavalos mortos. Caso contrário você ficará para trás na viagem do sucesso.

 

Célio Luiz Banaszeski
Diretor Executivo Exacta Consultoria Empresarial
Copyright © 2018

Sem comentários

Deixe uma resposta